Obra Kolping inaugura cisternas na comunidade Mimbó

A Obra Kolping Piauí inaugura nesta sexta – feira, 28, o total de 53 cisternas de placas de cimento para a captação de água das chuvas para o consumo humano, na Comunidade Mimbó, município de Amarante, sendo uma delas em uma escola pública. Entre as ações do projeto social está também a distribuição de máscaras e de filtros de água, além da geração de emprego e renda para os profissionais da construção civil, em especial, os pedreiros, que são trabalha diretamente na construção das cisternas.
Na comunidade Mimbó, todos os moradores já foram vacinados contra a Covid-19. A solenidade de inauguração das cisternas será realizado com respeito ao distanciamento social, com o uso de máscara e com a higienização das mãos com álcool 70%, de acordo com as orientações sanitárias dos órgãos de saúde para se evitar a transmissão do novo corovírus.

A importância das Cisternas

As famílias do quilombo Mimbó tem enfrentado sérias dificuldades de abastecimento de água. Atualmente, os moradores recorrem a dois poços tubulares para ter água de beber e para usos domésticos. Quando estes secam, a opção é o Riacho Mimbó que fica distante das residências.
Com as cisternas, os moradores vão ter água de melhor qualidade para beber e para os afazeres domésticos; além disso, terão mais tempo para cuidar da agricultura familiar e dos trabalhos de geração de renda ligados ao artesanato. Há ainda uma demanda de 120 cisternas na localidade. Com isso, a Obra Kolping do Piauí, o Comitê Betinho e o Movimento Negro de São Paulo estão articulando um projeto que visa garantir cisternas para todas as famílias.
Paralelo à construção das cisternas de placas de cimento, conhecidas como tecnologias de captação e armazenamento de água da chuva, a Obra Kolping do Piauí está executando o projeto de produção e distribuição de máscaras para a população, feito em parceria com o Governo do Estado do Piauí, Secretaria Estadual do Planejamento e Banco Mundial.
As cisternas foram construídas pela Kolping por meio do Termo de Colaboração firmado entre a ONG Articulação do Semiárido Brasileiro (ASA), a Associação Programa Um Milhão de Cisternas (AP1MC), Fórum Piauiense de Convivência com o Semiárido e o Ministério da Cidadania.
As famílias beneficiadas passaram por formações, a exemplo dos cursos de gerenciamento de recursos hídricos, que além de fortalecer a troca de conhecimento entre equipe técnica e a comunidade, estimulam as famílias e se engajarem em todas as etapas do projeto e assumirem a contrapartida, a exemplo da escavação.
No Semiárido do Piauí já foram construídas quase 68 mil cisternas para garantir acesso à primeira água, que é a água para consumo humano (beber e cozinhar prioritariamente).
Com os cortes de orçamento federal que vem ocorrendo, o número de construções decaiu a cada ano, contabilizando 94% de queda nos últimos seis anos em toda região semiárida do Brasil. No estado do Piauí ainda há uma demanda de 47,17% para que as cisternas de primeira água sejam universalizadas.

Com informações da ASCOM

Jornalista e Radialista.

LEIA TAMBÉM

Deixe um Comentário