Bolsonaro queria alguém de maior “afinidade” no comando da PF, diz Valeixo

Fala condiz com o relatado à Polícia Federal por Sérgio Moro, ex-ministro que aponta tentativa de interferência de Bolsonaro na corporação

Em um depoimento de mais de seis horas prestado nesta segunda-feira 11, o ex-diretor da PF, Maurício Valeixo, teria afirmado que o presidente Jair Bolsonaro gostaria de alguém com quem tivesse “mais afinidade” no comando da corporação. A apuração do teor do depoimento, que ainda é sigiloso, foi feita pelo jornal O Estado de S. Paulo.
Tal afirmação de Valeixo vai de acordo com o que apontou o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, quando também foi interrogado pela PF no âmbito da investigação da procuradoria-geral da República. Junto com seu pedido de demissão, Moro acusou Bolsonaro de querer intervir na independência da PF.

O presidente nega que o desejo de troca de comando tenha sido feito com esses propósitos, e diz ter usado apenas de sua prerrogativa presidencial de determinação de cargos, mesmo sem motivos aparentes para tal.

Valeixo, homem de confiança de Moro, foi substituído por Alexandre Ramagem, que depois foi impedido de assumir e voltou ao seu cargo na ABIN (Agência Brasileira de Inteligência). Todo este movimento acabou virando uma investigação conduzida pela PGR, com autorização do decano do Supremo Tribunal Federal, Celso de Mello, que visa apurar as acusações de Moro e os interesses da família Bolsonaro em operações sigilosas, em especial no Rio de Janeiro e em Pernambuco, segundo afirma o ex-ministro.

Nesta segunda, Ramagem e o ex-superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro, Ricardo Saadi, também depuseram à PF em Brasília. Além deles, os ministros Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Augusto Heleno Ribeiro Pereira (Gabinete de Segurança Institucional da Presidência) e Walter Souza Braga Netto (Casa Civil), além da deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), também devem falar nesta semana com a PF.

Na terça-feira 12, haverá ainda a exibição da gravação de uma reunião interministerial apontada por Moro como uma das provas de que Bolsonaro lhe ameaçou de demissão caso não houvesse a troca na PF. O ministro Celso de Mello autorizou que Augusto Aras, Sérgio Moro, o advogado-geral da União, José Levi Mello, e procuradores do caso assistam, junto à delegada Christiane Corrêa, ao conteúdo do vídeo.

Caso seja apurado que o presidente visou intervir na independência da corporação, a Câmara dos Deputados precisaria analisar as provas e autorizar um afastamento imediato de Bolsonaro do poder.

Fonte: cartacapital.com.br

LEIA TAMBÉM

Deixe um Comentário