Audiência pública discute situação de barragens no Piauí

A tragédia causada pelo rompimento da barragem do Feijão, na cidade de Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte (MG), no dia 25 de janeiro, deixou em alerta a população brasileira, quanto a segurança das barragens em todo Brasil.  Na Assembleia Legislativa do Piauí houve audiência pública, nesta quarta-feira, 20, para discutir o assunto, com a participação de representantes de instituições responsáveis pelo monitoramento e pela manutenção das barragens no estado, como o IDEPI – Instituto de Desenvolvimento do Piauí, que monitora 14 barragens, sendo 11 de grande porte, como destaca o diretor do Geraldo Magela.

Segundo o diretor geral do DNOCS, Djalma Policarpo, em 2018, foi feito relatório de inspeção das barragens  do órgão no Piauí e todas estão no programa de recuperação de barragens do governo federal, o diretor denuncia construções  irregulares, que  comprometem a estrutura de todas elas.

O diretor de Recursos Hídricos da SEMAR, Marcos Felinto, garante que o órgão  de fiscalização tem feito o trabalho dentro das exigências da lei.

Para a coordenadora do Movimento dos Atingidos por Barragens, Dalila   Calisto, a audiência pública é importante para a criação de políticas publicas, que beneficiem as pessoas atingidas pelo rompimento de barragens no Piauí.

A audiência pública para discutir a situação das barragens no Piauí foi proposta pelo deputado Francisco Lima (PT) e foi realizada no plenarinho da ALEPI, por meio da Comissão de Infraestrutura, que tem como presidente o deputado do PSD, Georgiano Neto.

 

 

LEIA TAMBÉM

Deixe um Comentário