“70% da população vai ser infectada, não adianta querer correr disso”, diz Bolsonaro

O presidente relativizou os efeitos do novo coronavírus e voltou a defender o fim do isolamento social

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender, nesta segunda-feira 20, o fim do isolamento social no Brasil, implantado em alguns estados e municípios para barrar o contágio do novo coronavírus, que já matou quase 3 mil pessoas no País. Na saída do Palácio da Alvorada, o capitão afirmou que 70% da população será infectada e que não há o que ser feito.
Em outro momento, enquanto falava com um apoiador, Bolsonaro relativizou os efeitos que o coronavírus causou na sociedade. “Houve uma potencialização das consequências do vírus e estamos vendo que não é verdade”, disse.

Sobre sua participação no ato deste domingo 19, que pedia o fechamento do Congresso e do STF, Bolsonaro negou e disse que a pauta da manifestação do domingo era a volta ao trabalho e a ida do povo para a rua.

“Sem essa conversa de fechar. Aqui não tem que fechar nada, dá licença aí. Aqui é democracia, aqui é respeito à Constituição brasileira. E aqui é minha casa, é a tua casa. Então, peço por favor que não se fale isso aqui. Supremo aberto, transparente. Congresso aberto, transparente”, afirmou Bolsonaro.

Para o ex-capitão, os cartazes no ato com dizeres contra a democracia, o Congresso e o Supremo eram de autoria de “infiltrados”.

“Em todo e qualquer movimento tem infiltrado, tem gente que tem a sua liberdade de expressão. Respeite a liberdade de expressão. Pegue o meu discurso, dá dois minutos, não falei nada contra qualquer outro poder, muito pelo contrário. Queremos voltar ao trabalho, o povo quer isso. Estavam lá saudando o Exército Brasileiro. É isso, mais nada. Fora isso, é invencionice, é tentativa de incendiar uma nação que ainda está dentro da normalidade”, disse o presidente.

Fonte: cartacapital.com.br

LEIA TAMBÉM

Deixe um Comentário